Crescendo na graça e no conhecimento

Lições 4.o Trimestre 2013

Lições 4.o Trimestre 2013
Conselhos para a vida

Lição 1 - O Valor dos Bons Conselhos
Lição 2 - Advertências Contra o Adultério
Lição 3 - Trabalho e Prosperidade
Lição 4 - Lidando de Forma Correta com o Dinheiro
Lição 5 - O Cuidado com Aquilo que Falamos
Lição 6 - O Exemplo Pessoal na Educação dos Filhos
Lição 7 - Contrapondo a Arrogância Com a Humildade
Lição 8 - A Mulher Virtuosa
Lição 9 - O Tempo para Todas as Coisas
Lição 10 - Cumprindo as Obrigações Diante de Deus
Lição 11 - A Ilusória Prosperidade dos Ímpios
Lição 12 - Lança o teu Pão Sobre as Águas
Lição 13 - Tema a Deus em todo o Tempo

Comentarista:

José Gonçalves - Pastor, Professor de Teologia, Escritor e Vice-presidente da Comissão deApologética da CGADB; Comentarista das revistas de Escola Dominical da CPAD.

24 de setembro de 2011

O Reino de Deus, o Alvo da Igreja



Uma das provas esportivas mais difíceis de serem concluídas é o rali de regularidade. Os competidores buscam sem dúvida a vitória, porém, o simples fato de concluir a prova já se constitui na maior vitória.
São dias e noites na estrada passando por várias etapas em quilômetros de prova, enfrentando as mais diferentes circunstâncias e fatores adversos: poeira, sol, calor, estradas irregulares, rios lamacentos, subidas e descidas, além dos adversários.
            Para resistir até o final da jornada existe uma condição fundamental a ser atendida: o preparo. Conhecer a rota da partida até a chegada, quais as dificuldades de cada trecho, o que levar para a jornada, e principalmente, reconhecer as limitações humanas e do equipamento para que se possa avaliar as condições de resistir até o final.
            A carreira espiritual que nos está proposta também é semelhante, embora muito mais sublime.  Precisamos corrê-la de um modo particular, com perseverança, até chegar ao ponto final. (Hebreus 12:1). Paulo compara esta jornada à corrida dos atletas nos jogos esportivos da sua época:

Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível. Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. Antes, subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado. (I Coríntios 9. 24-27)

Os carros do rali precisam de combustível suficiente no tanque. Nós também precisamos da reserva espiritual. Lembra-se da parábola das virgens que aguardavam a vinda do noivo? Pois bem. Cinco delas foram consideradas prudentes, pois tinham consigo azeite de reserva para as lamparinas caso faltasse o combustível. Cinco outras, porém, foram consideradas insensatas, pois tinham azeite apenas para um determinado período. E o noivo tardou. As lamparinas das desprevenidas começaram a fumegar. Desesperadas, passaram a clamar às outras: - Dá-nos do teu azeite. A resposta delas? - Não seja o caso de faltar a nós e a vós. Vão ao mercado e comprem o azeite necessário. Mateus 25.1-9.
Uma pergunta: será que tem posto de gasolina no deserto ou em uma trilha do sertão? O cristão depende da reserva de combustível espiritual suficiente para atravessar o deserto da  vida e chegar ao  destino final:

Cingido esteja o vosso corpo, e acesas, as vossas candeias. Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram. Lucas 12:35 e 36.

Na jornada cristã também imprescindível se faz conhecer a rota, visando identificar o caminho certo a percorrer para se chegar ao destino final, outro fator fundamental para garantir o êxito na caminhada. 
Paulo bem sabia aonde queria chegar: “pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar.” (1 Coríntios 9:26)
Ele almejava alcançar o objetivo fim da fé, a salvação da alma. 1 Pedro 1:9. Os heróis da fé citados em Hebreus morreram sem terem recebido as promessas, mas, “vendo-as de longe, e crendo nelas, e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra”. Buscando uma pátria melhor, a pátria que está nos céus (Filipenses 3:20), preparada por DEUS para quem completar a jornada. Hebreus 11:13-16.
            Não podemos trocar de alvo por conta de uma alegria passageira do pecado que tão pertinho nos rodeia. Moisés recusou a aspiração de um dia ser herdeiro do Reino de faraó preferindo ser sofrer junto com o povo de DEUS a gozar dos prazeres transitórios do pecado; porquanto Moisés considerou o opróbrio de Cristo por maiores riquezas do que os tesouros do Egito, porque contemplava o galardão invisível (Hebreus 11.24-27).
 - Louco, esta noite te pedirão a tua alma, alertou Jesus; e o que tens preparado, para quem será? Lucas 12:20.
DEUS se importa com o destino final da nossa alma. Jó 27:8 Porque, qual será a esperança do ímpio, quando morrer? Jó 27:8
            O mundo pós-moderno com seus conceitos e valores, tão relativista, secularista, materialista, consumista, valoriza o ter, o aqui e agora, a satisfação do homem como centro do universo. Querendo, desta forma, tirar-nos o alvo de pensar nas coisas lá do alto, para colocar o coração nas que são aqui da terra (Colossenses 3:2);
Vale referenciar aqui o conteúdo das pregações de hoje que em sua maioria falam de um Senhor que parece ter mudado de posição passando à condição de servo a cumprir as determinações e decretos humanos; a mensagem da cruz foi deliberadamente omitida para dar lugar a um triunfalismo humanista terrível.
No entanto, se a nossa esperança em Cristo se limitar apenas a esta vida, seremos os mais infelizes de todos os homens. 1 Coríntios 15:19.
A neoteologia do pare de sofrer, venha para cá e seus problemas vão se acabar tem origem no anseio individual que ás vezes entra em conflito com a vontade de Deus e seus desígnios para cada um. Como aconteceu no ato da crucificação de Cristo.
Em sua sentença final, Pilatos condenou Jesus Cristo à pena de morte na cruz, sendo crucificado entre dois ladrões. Mateus 27:38.
            Um deles tentou à todo custo buscar um atalho para se livrar daquela condenação, apelando aos poderes sobrenaturais de Cristo e assim escapar da morte. Ele via Jesus apenas como alguém que poderia socorrê-lo em sua necessidade humana.
            Muitos se lembram de DEUS na hora da dor, do desespero, da necessidade humana, material. Identificam Jesus como uma fonte para solução dos seus problemas. Buscam uma cura, de um emprego, libertação de um vício, tentando às vezes adaptar Jesus às suas vontades e conveniências. Graças Deus que por Sua infinita graça e misericórdia atende à quem o busca com sinceridade nos momentos de aflição.
Mas alguns têm objetivos apenas interesseiros ainda que em meio às práticas religiosas.
            O outro ladrão tinha uma preocupação diferente quanto ao futuro. Ele reconheceu em Jesus o Salvador que pregava o Reino de DEUS. A sua alma tinha um anseio diverso do companheiro que pensava apenas como salvar a si mesmo. “- Lembra-te de mim quando entrares no teu Reino”.
Ele tinha uma esperança de vida espiritual, sentia sede de salvação ao passo que o outro estava com a visão limitada aos interesses pessoais egoístas. Ele não pedia para escapar com vida, mas sim, escapar para a vida, a vida eterna, a vida com DEUS.
            DEUS continua a abençoar e atender aos pedidos e orações de seu povo que a Ele clama. Aleluia! Mas antes deseja ver nos corações o almejar viver a vida eterna, superando os interesses pessoais efêmeros. Buscando primeiro o Reino de DEUS e, de quebra, as demais coisas serão acrescentadas. Mateus 6:33.
- Ainda hoje estarás comigo no paraíso. Lucas 23:43. Na resposta de Jesus para o ladrão arrependido há a garantia da vida eterna, o alvo final da Igreja Vencedora.
As ricas bênçãos do Senhor estão à nossa disposição, mas a maior e melhor delas é viver com DEUS, eternamente!
Na verdade as pregações de hoje, em sua maioria, pouco falam das mansões celestiais, da Jerusalém celestial, da volta de Cristo, do alvo real da Igreja e dos cristãos que é deixar esta vida e habitar com o Senhor para sempre. II Coríntios 5:8 e I Tessalonicenses 4:17. Mas o que há de vir virá e não tardará. Habacuque 2:3 e Hebreus 10:37.
Já é chegada a hora de nós, que já conhecemos e seguimos a Cristo há um bom tempo, despertarmos do sono; porque a nossa salvação está, agora, mais perto do que quando no princípio cremos. Romanos 13:11.
            Não há lugar para o comodismo, como Paulo alertou aos Filipenses:

Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma               coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de DEUS em Cristo Jesus. Filipenses 3.13 e 14
           
Assim no final da jornada poderemos proclamar como o combatente atleta Paulo:

                Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a               coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará               naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos        amam a sua vinda. 2 Timóteo 4.7 e 8.

            Corroborando com a palavra do anônimo escritor aos Hebreus:

Corramos, portanto, com perseverança, a carreira espiritual que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da nossa fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de DEUS. Hebreus 12:2

            Conservando-nos no amor de DEUS, chegaremos ao alvo, pois esta é a promessa que ele mesmo nos fez, a vida eterna. 1 João 2:25, cruzando assim a linha de chegada na carreira da fé, na confiança de que o Senhor Jesus Cristo já nos preparou um lugar na casa do Pai onde há muitas moradas. João 14.1 a 3.
            Temos um longo caminho a percorrer enquanto peregrinos e forasteiros na terra.
Quando da queda primeiro homem, Adão, DEUS colocou querubins ao oriente do jardim do Éden para guardar o seu acesso ao caminho da árvore da vida. (Gênesis 3:24)
DEUS, porém, não desistiu de amar a humanidade. E traçou um novo caminho para levar-nos aos céus. Através do novo Adão, Jesus Cristo, tratou de mostrar este caminho. - E vós sabeis o caminho para onde eu vou, disse Jesus a Tomé. Este, em dúvida, questionou: “- Senhor, não sabemos para onde vais; como saber o caminho?” Respondeu-lhe Jesus: “- Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” João 14.4-6.
Este é o novo e vivo caminho para se chegar ao Santo dos santos, o santíssimo lugar que Ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne. Hebreus 10:20. Para chegar lá urge saber o caminho.
            Na prova do rali de regularidade um dos personagens fundamentais é a figura do navegador. A ele cabe interpretar o roteiro que é proposto e, a partir dele, orientar o piloto no caminho em que trilhar.
            Em nossa caminhada temos o Espírito Santo como nosso guia neste Caminho. Porque todos os que são guiados pelo Espírito de DEUS, esses são filhos de DEUS. Romanos 8:14
            Jesus ensinou o caminho de DEUS segundo a verdade (Lucas 20:21), apresentando como caminho estreito que conduz à vida, e poucos há que o encontrem. Mateus 7.14, em contraste com o caminho espaçoso que conduz à perdição. Trilhas largas e fáceis nem sempre conduzem ao lugar certo. Nosso caminho é apertado, mas é o caminho da justiça, da salvação, da verdade; deixando-nos Cristo o exemplo, para seguirmos as suas pisadas (1 Pedro 2:21).
Tão valiosa é a jornada que os cristãos foram considerados nos primórdios da Igreja como aqueles que praticavam a religião do Caminho, em uma referência clara ao andar após e em busca de Cristo. Atos 9:2; 19:9,23;  22:4;  24:14,22.
            A outro fato a ser considerado é o modo de conduzir o veículo nas trilhas, enfrentar os obstáculos naturais que surgem de maneira a garantir o alcance do final de cada etapa e da prova. Então, como estou vivendo a vida cristã, combatendo o bom combate, como estou vivendo o compromisso com Deus?
            Quem quer seguir a Cristo, precisa negar-se a si mesmo, e tomar a sua cruz, e, a partir daí, segui-Lo. Marcos 8:34. Alguns ainda não reúnem as condições para chega no destino proposto, porém, vão sendo renovados, até chegar lá. Certa ocasião Jesus confortou a Pedro, dizendo-lhe: - Quando te converteres, confirma teus irmãos. Lucas 22:32.
Muitas vezes a auto-suficiência pode nos levar a crer que podemos andar e ir aonde der na veneta. Assim foi o exemplo de Pedro: - Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço, disse Jesus a Pedro, - tu te cingias a ti mesmo e andavas por onde querias. João 21:18. 
Porém, quando se alcança a maturidade na jornada, a história muda. Os corredores de provas de longa distância, maratonas, por exemplo, sabem dosar as suas energias para aplicar mais velocidade ou menos de acordo com as condições do caminho; os pilotos durante a prova de rali aceleram ou reduzem a velocidade de acordo com a trilha no momento.
Profetizando a respeito do tipo de morte com que Pedro havia de glorificar a DEUS, porém, Jesus disse-lhe: - quando fores velho, estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará para onde não queres. João 21:18. 
Depois de assim falar, acrescentou-lhe: - Segue-me.  O caminho já foi aberto, então, basta atender ao convite: Segue-me. Quanto aos outros, não importa o traçado que estejam desenvolvendo na prova da vida: simplesmente, segue-me.
As consequências? O mesmo Pedro já havia consultado a Jesus a este respeito: - Eis que nós tudo deixamos e te seguimos; que será, pois, de nós? Jesus lhes respondeu:

- Em verdade vos digo que vós, os que me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do Homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel. E todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe ou mulher, ou filhos, ou campos, por causa do meu nome, receberá muitas vezes mais e herdará a vida eterna. Mateus 19:27-29.

Corramos, portanto, com perseverança a carreira que nos está proposta, juntos, em uma só fé, em um só espírito, seguindo às mesmas pisadas (Hebreus 12:1; Efésios 4:4 e 55; 2 Coríntios 12:18), combatendo o bom combate, guardando a fé a fim de receber a coroa da justiça que nos está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, nos dará naquele dia, a todos os que amarem a sua vinda. II Timóteo 4:8.

Um comentário:

Anônimo disse...

Muito bom.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Entre em contato conosco


Se copiar algum texto, favor citar a fonte com o nome do autor e o link deste blog.