Crescendo na graça e no conhecimento

Lições 4.o Trimestre 2013

Lições 4.o Trimestre 2013
Conselhos para a vida

Lição 1 - O Valor dos Bons Conselhos
Lição 2 - Advertências Contra o Adultério
Lição 3 - Trabalho e Prosperidade
Lição 4 - Lidando de Forma Correta com o Dinheiro
Lição 5 - O Cuidado com Aquilo que Falamos
Lição 6 - O Exemplo Pessoal na Educação dos Filhos
Lição 7 - Contrapondo a Arrogância Com a Humildade
Lição 8 - A Mulher Virtuosa
Lição 9 - O Tempo para Todas as Coisas
Lição 10 - Cumprindo as Obrigações Diante de Deus
Lição 11 - A Ilusória Prosperidade dos Ímpios
Lição 12 - Lança o teu Pão Sobre as Águas
Lição 13 - Tema a Deus em todo o Tempo

Comentarista:

José Gonçalves - Pastor, Professor de Teologia, Escritor e Vice-presidente da Comissão deApologética da CGADB; Comentarista das revistas de Escola Dominical da CPAD.

3 de outubro de 2011

Pastores chamados em tempos de crise


João em sua revelação constatou que DEUS na Sua mão conserva as sete estrelas. Apocalipse 2.1. As estrelas são os anjos da Igreja ou seja os pastores que conduzem o rebanho.
Os líderes da Igreja devem estar sob o domínio do Senhor, sob a direção do Espírito de DEUS que os governa, protege, dirige, cobra-lhes os descaminhos, corrige o rumo e não deixa de enaltecer a fé, amor, as obras, o serviço e a perseverança.
            Na verdade não é fácil ser pastor, seja em qualquer época, como também não o é nos dias atuais. Mas Deus deu os pastores ás Igrejas para cuidar do rebanho. Efésios 4.11.

O pastor Severino Pedro (Silva, 2010, p. 216.), ressalta que “hoje, mais do que nunca, precisamos de verdadeiros pastores que sejam, de fato, “anjos”; tanto no ser como nas qualidades e que as Igrejas os vejam deste modo.
As demandas do povo trouxeram desgaste e até prejuízo pessoal para o líder Moisés quando da caminhada no deserto conduzindo o povo rumo à terra de Canaã. Deuteronômio 32:52. Ainda temos de alcançar nossa Canaã celestial.  Hebreus 11:14,16. Precisamos de líderes sábios que guiem o rebanho para águas tranquilas, pastos verdejantes, embora correndo riscos em meio às crises.
Os pastores de agora correm riscos ao administrarem verdadeiras empresas em forma de Igreja.
Sem esquecer a necessidade do discernimento para interagir em meio a um modelo de sociedade pós-cristão com uma características a serem avaliadas, medidas e muitas vezes confrontadas.
Em certa reunião de ministros na Nova Inglaterra para tratarem das ameaças ao cristianismo na sociedade americana, os pastores presentes levantaram dez sinais dos tempos pós-modernos que afetam diretamente a marcha da Igreja (Fisher, 1999, p. 65-83):

1.       Internacionalização;
2.       Urbanização;
3.       Secularização;
4.       Avanço tecnológico;
5.       Individualismo;
6.       Materialismo/consumismo;
7.       Falta de raízes;
8.       Derrocada moral;
9.       Conflitos/guerras culturais;
10.   Qualidade de vida decrescente.

Em meio a estes embates, devem administrar a Igreja local, projetos de reforma e construção de templos, atendimento à legislação vigente cada dia mais estreitando e limitando a ação da Igreja em meio à sociedade materialista e laica, e, acima de tudo, e acima de tudo cuidar do rebanho a quem Deus os constituiu para apascentarem. Daí o bom conselho de Jetro ao genro Moisés sugerindo a divisão do trabalho para evitar a sobrecarga estressante. Êxodo 118.19-26.
            Mas pastores continuam sendo pastores. A influência da Igreja, apesar de ignorada, ainda continua necessária. Ainda que em muitas nações religião não passe de uma filosofia, e o cristianismo, puro status ou grupo social, as pessoas precisam saber que Jesus está vivo, ressurreto (Apocalipse 1:18), e que ainda quer operar em meio ao caos social, político e moral dos povos. A aparente ordem perfeita das coisas mascara esta realidade de profunda pobreza e aridez espiritual dos povos. E os pastores são convocados para conduzir o povo de DEUS por este caminho perigoso, desértico, e também encontrar meios de alcançar, ao máximo possível, outras pessoas que estão vivendo sem paz, sem DEUS e sem salvação, como despenseiros fiéis dos mistérios de DEUS. Lucas 12:42; 1 Coríntios 4:2.
            Charles Spurgeon, destacado  pregador inglês do século XIX, enunciou algumas características dos verdadeiros pastores, que tem como atividade principal dar o alimento para as ovelhas; um trabalho humilde, despretensioso e sem ostentação (Spurgeon, 2004, p. 30 e 31):

O verdadeiro pastor é um amálgama de muitas graças preciosas. Ele é caloroso com zelo, mas não é inflamado com paixão; é bondoso, contudo governa sua classe; ele é amoroso, mas não fecha os olhos numa piscada ao pecado; tem poder sobre os cordeiros, mas não é imperioso nem sarcástico; tem bom humor mas não frivolidade; liberdade, mas não licenciosidade; seriedade, mas não cara fechada. (Spurgeon, 2004, p. 33)  
 
            A Igreja Vitoriosa reconhece os obreiros verdadeiros e não fraudulentos. Vivemos dias perigosos quando infelizmente nem todos são pastores fiéis. Alguns correm atrás das riquezas e glórias mais do que buscam a Jesus. Seu DEUS é o dinheiro. A instituição que dirigem agora não pode mais dizer que não tenho prata nem ouro, como disseram Pedro e João à entrada do templo para o aleijado que mendigava; mas, como disse Tomás de Aquino, também não podem dizer à sociedade levanta-te e anda, como fizeram os apóstolos, e o homem foi curado – Atos 3. Suas Igrejas se tornaram verdadeiros conglomerados de investimentos milionários, transitam com influência nos palácios dos governos, são mais seculares que muita gente incrédula por aí afora. Estes não são pastores, são impostores.
            A visão empresarial faz muitos se esquecerem da ovelha perdida. Na mega-igreja sai um, chegam cem, e a ovelhinha desgarrada corre o risco de ficar à mercê da própria sorte. O que pode fazer um pastor por quinze mil ovelhas ? 
            A necessidade de manter uma estrutura organizacional digna de uma multinacional faz alguns pastores sofrerem a tentação de deixarem a dependência de DEUS e se apoiarem em programas, estratégias, campanhas de marketing, parcerias com as autoridades políticas que cobram com juros em forma de votos à cada campanha eleitoral.
Mas os pastores fiéis ainda levantam a voz no deserto e endireitam os caminhos para a nova vinda do Senhor (Marcos 1:3), e ainda buscam a ovelha desgarrada (Ezequiel 34.4,16), que foi comprada pelo sangue de Jesus (1 Pedro 1:18 e19), e confiada às mãos de vocacionados que atenderam ao chamado do mestre Jesus para apascentar o seu povo. Atos 20:28.
O pastor tem como modelo maior de pastor, o Senhor Jesus Cristo. Eu sou o bom Pastor. João 10:11-14.
E nada poderá confundi-lo porque sabe a quem serve, para onde vai, e qual a recompensa final para justos e ímpios.
Não tem seu nome escrito na lista das celebridades, “nunca ganhará uma “insígnia imperial”, nem será elevado a nobreza” (Spurgeon, 2004, p. 31); não recebem comendas, medalhas ou títulos de cidadão da cidade pela qual desgastam suas vidas para livrar seus habitantes do fogo.
Mas não desistem porque não buscam um repouso seguro aqui na terra, mas sim a pátria futura. O título pode até estar banalizado ou até desgastado pelo mau testemunho de alguns, mas pastores são pastores, homens chamados, vocacionados, capacitados e dados por DEUS à Igreja para fazer a diferença no exercício de seus ministérios à sociedade, anonimamente, publicamente, quer queiram quer não. 
Não permitem que as ovelhas que pertencem a DEUS sejam entregues à rapina, e venham a servir de pasto a todas as feras do campo, mas procuram as ovelhas, não se apascentem a si mesmos, mas apascentam com zelo as ovelhas do rebanho do Senhor.
Jesus quando reencontrou a Pedro, não lhe fez qualquer censura ou cobrança (João 21.16 e 17):
Simplesmente procurava ainda a chama de amor em um coração de pastor: - Pedro, tu me amas ? Aqui se encontra todo o sentido e razão para o exercício do ministério pastoral: - Pedro, tu me amas?
O amor a Deus constrange, motiva, responsabiliza e se expressa na vida do pastor no cuidado com o rebanho. – Tu me amas?. Então vai ao encontro do rebanho, deixa-o bem guardado no aprisco e corre à procura de uma desgarrada, uma que seja, porque para isso foi dado pastores para a Igreja, para cuidar de ovelhas, carregar ovelhas, sarar ovelhas, enfrentar crises, viver e morrer pelas ovelhas.

Referências Bibliográficas:

FISHER, David. O Pastor do Século 21. 1ª edição. São Paulo: Editora Vida, 1999;

SILVA, Severino Pedro da. A igreja e As Sete Colunas da Sabedoria. 1ª edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2010;
SPURGEON, Charles. H. Pescadores de Crianças: orientação prática para falar de Jesus ás crianças. Tradução de Hope Gordon Silva, 1ª edição 2004, São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2004.


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Entre em contato conosco


Se copiar algum texto, favor citar a fonte com o nome do autor e o link deste blog.